segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Patrus Ananias diz que pode apoiar Jô Moraes em BH e amplia crise no PT mineiro

da Agência Folha, em Fortaleza

Ausente até agora da campanha pela Prefeitura de Belo Horizonte, o ministro petista Patrus Ananias (Desenvolvimento Social), ex-prefeito da capital mineira, disse hoje que cogita apoiar a candidatura de Jô Moraes (PC do B) em oposição a Marcio Lacerda (PSB), candidato do prefeito Fernando Pimentel (PT) e do governador Aécio Neves (PSDB).

Em visita a Fortaleza para ato de apoio à candidatura da prefeita Luizianne Lins (PT), Patrus disse ter sido excluído das discussões sobre a sucessão em Belo Horizonte e que não conhece Lacerda.

"Nós fomos excluídos do processo, e foi apresentada uma pessoa que não conheço. Não posso apresentar ao povo da minha cidade e pedir votos para um candidato que não conheço e que, também sei, a cidade não conhece e ele também não conhece a cidade."

A insatisfação de Patrus com a escolha do candidato em Belo Horizonte é reforçada por determinação do Diretório Nacional do PT, que vetou a coligação formal com o PSDB em torno da candidatura de Lacerda. Ainda assim, o apoio informal de Aécio ao candidato do PSB se manteve, com aprovação de Pimentel.

Já há uma dissidência do PT mineiro que passou a apoiar Jô. O ministro disse que ainda não tomou essa atitude por ser militante histórico do partido. "Tenho responsabilidades históricas com o PT, estou a metade da minha vida no partido, e não posso agir emocionalmente", disse.

"Mas estou ponderando, ouvindo também pessoas do meu partido e de outros partidos, e buscando o caminho mais razoável, que inclusive ajude a preservar o PT em Belo Horizonte."
Longe de Minas, Patrus cumpriu, no último final de semana, uma série de visitas para apoiar candidatos petistas pelo Nordeste. Além de Fortaleza, viajou a Imperatriz (MA), Teresina (PI) e Natal (RN).

sábado, 23 de agosto de 2008

Candidato de Aécio em BH sobe 15 pontos e está empatado com Jô, diz Ibope

da Folha Online

Pesquisa Datafolha divulgada hoje pela TV Globo mostra Marcio Lacerda (PSB) tecnicamente empatado com Jô Moraes (PC do B) na liderança da disputa pela Prefeitura de Belo Horizonte. A pesquisa completa será publicada na edição da Folha deste domingo.

Lacerda aparece com 21% das intenções de voto, contra 17% de Jô. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

A nova pesquisa --realizada quinta e sexta-feira-- mostra uma evolução de 15 pontos na intenção de voto em Lacerda, que tinha 6% em julho. A subida coincide com o início do horário eleitoral gratuito de rádio e TV. Lacerda é apoiado pelo governador de Minas, Aécio Neves (PSDB) e pelo prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT).

No mesmo período, a taxa de intenção de voto em Jô oscilou três pontos para baixo --ela tinha 20%.

Leonardo Quintão aparece com 13% das preferências --ele tinha 9%. Vanessa Portugal (PSTU) e Sérgio Miranda (PDT) estão com 4%. Gustavo Valadares (DEM) tem 2%. André (PT do B), Jorge Periquito (PRTB) e Pepê (PCO) não atingiram 1%.

Num eventual segundo turno entre Jô e Lacerda, a pesquisa para um empate: ela com 34% e ele com 33%. A pesquisa foi registrada sob o número 56616/2008.

O material completo da pesquisa está na edição da Folha deste domingo, que está nas bancas na tarde deste sábado.

domingo, 17 de agosto de 2008

Pimentel não decola em Belo Horizonte (Tribuna da Imprensa)

BELO HORIZONTE - O grande prestígio eleitoral do governador Aécio Neves (PSDB) e do prefeito Fernando Pimentel (PT) continua insuficiente, em Belo Horizonte, para alavancar a campanha do candidato Márcio Lacerda (PSB), por eles apoiado. Na segunda rodada da pesquisa Ibope, encomendada pelo jornal 'O Estado de S. Paulo' e pela 'TV Globo', Lacerda agora tem 9% das intenções de voto - tinha 8% em julho. É exatamente a metade dos 18% de votos atribuídos à líder da disputa, Jô Moraes (PC do B).

A boa notícia, para Lacerda, é que o rival Leonardo Quintão perdeu quatro pontos em relação à primeira pesquisa: tinha 14% e ficou com 10%, ficando os dois tecnicamente empatados no segundo lugar. A candidata Vanessa Portugal (PSTU) oscilou um ponto de uma pesquisa para outra, chegando aos 5% (tinha 4%) e Sérgio Miranda (PDT) manteve seus 3%. Dos demais concorrentes, Gustavo Valadares (DEM), André Alves(PT do B) e Jorge Periquito (PRTB) registram a mesma intenção de voto da pesquisa de julho, 1%.

O cenário continua dominado, no entanto, por um enorme grau de indefinição: cresceu 7 pontos o total de eleitores indecisos ou que preferem não opinar. Os votos brancos e nulos, ao contrário, diminuíram quatro pontos - agora somam 19% entre os 805 eleitores ouvidos pelo Ibope.

Essa indecisão é mais visível na pesquisa espontânea, em que 58%, dizem não saber em quem votar ou preferem não opinar. Esse número era de 54% no mês passado. Dos que escolheram candidato, 13% indicaram Jô Moraes, 5% ficaram com Márcio Lacerda e 4% com Leonardo Quintão. Curiosamente, até a taxa de rejeição tem um alto índice de indecisos: 43% afirmam que não sabem em qual nome deixariam de votar.

Essas incertezas aparecem com força, também, nas simulações de segundo turno, nas quais a proporção de votos é muito baixa: Jô Moraes vence Quintão por 31% a 18% e Márcio Lacerda por 31% a 16%.

O Ibope foi a campo entre 11 e 13 de agosto e entrevistou 805 eleitores de Belo Horizonte. O intervalo de confiança da pesquisa é de 95% e a margem de erro, de 3 pontos porcentuais. A pesquisa está registrada na 26ª Zona Eleitoral de Belo Horizonte, sob o número 53.863/2008.

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Parceria Aécio-Pimentel citada pela FGV é aproveita por Lacerda e criticada por rivais

PAULO PEIXOTO
da Agência Folha, em Belo Horizonte

O relatório da Fundação Getúlio Vargas sobre "A Nova Classe Média" divulgado anteontem causou polêmica na campanha eleitoral pela Prefeitura de Belo Horizonte. A parceria entre o governador Aécio Neves (PSDB) e o prefeito Fernando Pimentel (PT), o mote principal da campanha de Marcio Lacerda (PSB), apoiado pelo tucano e o petista, é citada no documento.

A campanha de Lacerda, na noite de anteontem, já divulgava o relatório por e-mail enaltecendo o "efeito Aécio com Pimentel" no crescimento da classe média na região metropolitana de Belo Horizonte, conforme dito no relatório.

Os rivais de Lacerda, no entanto, criticaram a citação e disseram que a análise precisa de aprofundamento.

Afirma o relatório da FGV: "Quais das metrópoles brasileiras tiveram maior redução de miséria nos últimos seis anos? A resposta seria BH (-40,8%), Rio (-30,7%), seguido de perto por Salvador (-29,8%)".

Segue o texto: "Como não se trata de municípios ou Estados, mas das metrópoles, a liderança de BH é o que se pode chamar de efeito Aécio com Pimentel. Os movimentos de melhora das séries de indicadores sociais da Grande Belo Horizonte estão relativamente dispersos ao longo do período 2002 a 2008, enquanto o das demais metrópoles concentram-se em torno do período abril a junho de 2004".

A argumentação da FGV, instituição privada de ensino e pesquisa em ciências econômicas e sociais, não bastou para os rivais de Lacerda.

A candidata do PC do B, a deputada federal Jô Moraes, disse que há no período importante melhoria da pauta de exportação, especialmente do minério, além de ampla expansão do setor automotivo, setores fortes na região. Os investimentos em infra-estrutura feitos pelo governo Lula também são "muito importantes", disse.

"É um conjunto de fatores, mas sobretudo um novo clima que se criou a partir da eleição do Lula. Diria que, quando as coisas dão certo, tem muito pai. Mas é bom partilhar os êxitos e os acertos", disse ela.

"Eu diria que é um estranho inusitado nos eficientes relatórios da FGV esse acréscimo propagandístico."

Para o candidato do PMDB, deputado federal Leonardo Quintão, "isso tem que ser comprovado cientificamente, não pode ser comprovado apenas em suposições". Ele considerou "engraçado" ter aparecido a citação à parceria no relatório da FGV.